4 estereótipos da mulher negra na TV que devem ser combatidos

“Subserviente”,“tipo exportação”, “agressiva”, “fogosa”, “aquela que aguenta tudo”. O que você faria se acordasse todos os dias sabendo que está prestes a enfrentar um mundo que rotulará você com essas palavras?

Suas opções: se revoltar e, assim, mostrar que eles estão certos, pois será agressiva, ou se calar e, assim, também provar que estão certos, pois se portará de forma subserviente. Ser uma mulher negra é viver diariamente esse triste cenário!

Como se não bastasse essa realidade que nos imputa constante sofrimento, a mídia alimenta o imaginário social com personagens que apresentam um estereótipo da mulher negra bastante deturpado. Pensando nisso, no post de hoje vamos apresentar 4 representações preconceituosas da mulher negra que devem ser combatidas.

1. A mãe preta

Dependendo da época retratada na novela, filme, série ou propaganda, a mãe preta se apresenta como uma mulher negra escravizada, ex-escravizada, empregada doméstica ou babá. Essa personagem reforça o estereótipo da mulher negra que tem como único desejo da vida servir a uma família branca.

Baseada em um arquétipo estadunidense conhecido como Mammy, esse tipo de personagem é alguém que ama incondicionalmente a família branca para quem trabalha. Ela, via de regra, não tem ambições, sonhos, desejos ou qualquer subjetividade. Suas características são, quase invariavelmente: ser uma cozinheira habilidosa, supersticiosa e ama de leite das crianças da família com quem trabalha e reside.

2. A mãe solteira batalhadora

Dizem por aí que por trás de uma “supermãe” há um parceiro omisso. Essa personagem, tão comum em séries e filmes, reforça a ideia de que nós, mulheres negras, somos mais fortes do que outras mulheres, que nosso prazer estar em apenas criar nossos filhos e não temos quaisquer ambições. Assim, por sermos tão resilientes, nós:

  • não demandamos cuidado, carinho e proteção;

  • somos seres inabaláveis, capazes de aguentar todos os fardos possíveis e imagináveis;

  • somos capazes de suportar todos os tipos de violência contra nós — obstétrica, trabalho braçal forçado etc.

Como isso nos prejudica? Isso ensina a sociedade a não se comover com o nosso sofrimento, tampouco se preocupar com nossa saúde mental. Esse estereótipo é a base da expressão: “elas aguentam tudo”, que nos sobrecarrega com as responsabilidades que outras mulheres dividem com seus parceiros ou parceiras.

3. A mulher negra raivosa

O estereótipo da mulher negra barraqueira é reforçado por aquelas personagens expansivas, cheias de atitude e que estão sempre prontas para uma briga. Essa ideia racista da negra raivosa surgiu como resultado do Movimento pelos Direitos Civis e, inicialmente, era uma rejeição ao papel social subserviente da mulher negra, que já apresentamos.

Com o tempo, entretanto, as personagens cheias de atitude se transformaram em personagens mal humoradas, castradoras, agressivas e maliciosas. O resultado dessa deturpação de ideias é perverso: o silenciamento. Isso acontece porque para não sermos comparadas com as personagens que representam “mulheres negras raivosas”, nos calamos em situações de divergências.

4. A mulher negra fogosa

Não é de hoje que a hipersexualização da mulher negra é uma constante na mídia. As personagens que materializam essa objetificação do corpo feminino negro são conhecidas (ofensivamente) como “mulata exportação” e aparecem como: “Globeleza”, amantes (quase nunca como esposas), empregadas “atraentes” que sofrem com as investidas de seus patrões etc.

Esse é um estereótipo a ser combatido pois reforça a ideia de que as mulheres negras são para o sexo, mas não para um compromisso. O que, por sua vez, acaba alimentando ideias que nos deixam mais vulneráveis à violência sexual.

Percebeu como alguns personagens podem parecer inofensivos, mas, na verdade, acabam objetificando e inferiorizando as mulheres negras? Lembrou de outro estereótipo da mulher negra na TV que precisa ser combatido? Deixe seu comentário no post e ajude outros leitores a embarcar nessa luta!

Todo Black é Power

Comments (2)

  1. Amo as suas postagens e td seu trabalho

    1. Obrigada, Vanderlúcia!
      Fico muito feliz com o seu retorno!
      continue acompanhando o blog espero que você ame muito mais rs .Beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This